Paulistão A3

Histórico dos confrontos das quartas de final é marcado pelo equilíbrio

(Crédito: Sanderson Barbarini/Divulgação/Rio Branco)
Rio Branco e Nacional fazem o confronto mais frequente destas quartas da final com vantagem para o time de Americana

Publicado em 20 de abril de 2017, às 16h30

Raoni David

As quartas de final do Paulistão A3 tem início neste final de semana com os jogos de ida acontecendo todos no sábado (22). Nos quatro confrontos impera o equilíbrio nos enfrentamentos ao longo da história, embora em um deles – Taboão da Serra e Monte Azul – houve ineditismo nesta temporada.

Primeiro encontro
Taboão da Serra e Monte Azul fizeram na disputa desta Série A3 de Campeonato Paulista o primeiro confronto oficial entre as equipes em suas histórias. A partida aconteceu recentemente, na 18ª rodada da primeira fase e valeu ao time da Grande São Paulo a confirmação da vaga no G8.

Na ocasião, em quarto lugar com 28 pontos, o Taboão da Serra venceu e passou o próprio Monte Azul, então terceiro colocado com 31. A vitória por 4 a 2 garantiu o time taboanense nas quartas de final e, quis o destino, para enfrentar o próprio rival daquele dia.

Confronto mais frequente*
O jogo das quartas de final que mais aconteceu em competições oficiais é entre Nacional e Rio Branco, com vantagem para o time de Americana. Em 22 partidas desde 1981, quando se enfrentaram pela primeira vez, foram dez vitórias da equipe do interior contra oito do time da capital, além de quatro empates. O Rio Branco marcou 31 gols contra 20 do Nacional.

O ponto alto do encontro entre os dois foi quando se enfrentaram pela Série C do Campeonato Brasileiro de 2000, no caso a Copa João Havelange. Integrantes do Grupo E do Módulo Branco, o time de Americana levou a melhor terminando na liderança da chave e avançando à fase seguinte. O Nacional foi eliminado. Mais tarde, o time do interior paulista ficaria em segundo no grupo que tinha o Malutrom, que se classificou à fase final e foi eliminado pelo Cruzeiro.

Empatados
Tradicionais no interior paulista, Olímpia e Portuguesa Santista tem histórico pequeno de confrontos, porém bastante equilibrado, já que existe um empate. Em 11 jogos, são três vitórias para cada lado e cinco empates. O time do litoral paulista leva vantagem ao marcar 15 gols contra 12 dos interioranos.

Em 2011, pela Segunda Divisão do Campeonato Paulista, foram quatro destes confrontos em fases diferentes. Na terceira fase, empate sem gols em Santos e vitória da Portuguesa em Olímpia, por 2 a 0. Na fase seguinte, que definia os acessos, novo empate sem gols e goleada santista em casa, por 5 a 1. Insuficiente, porém. Ambos assistiram aos acessos de Capivariano e Barretos à Série A3.

Outro confronto empatado é entre Desportivo Brasil e Inter de Limeira, o de maior disparidade entre emergentes e tradicionais e que aconteceu somente três vezes. Campeã paulista em 1986, a Inter de Limeira tem disputa bastante acirrada com o time de Porto Feliz que iniciou suas atividades somente em 2009. Cada equipe tem uma vitória. Ainda aconteceu um empate e quatro gols para cada lado.

Em 2010, pela segunda fase da Segunda Divisão do Campeonato Paulista, a Inter de Limeira se deu melhor. Após empate por 1 a 1 em Porto Feliz, a vitória limeirense no segundo jogo, em Limeira por 2 a 1, contribuiu para a classificação da Inter à fase seguinte. O Desportivo Brasil fora eliminado na ocasião.

*Colaborou Claudio Gioria, historiador do Rio Branco Esporte Clube.

Penalty Kappa Marabraz Canon